Mascotes dos times de futebol: quantas você conhece?

mascote caricato para os negócios

Quantos mascotes de times de futebol você conhece? Já que recentemente abordamos alguns artigos sobre o papel e a importância das mascotes para os negócios, vamos falar estender esse tema e falar sobre sua presença no esporte, hoje mais especificamente no futebol.

As mascotes de clubes de futebol são quase tão antigos quanto o próprio futebol: há registros que, já nos anos 1880, os clubes ingleses eram representados por animais ou personagens que traziam alguma característica que os identificasse: uma cor, um aspecto cultural ou da “personalidade” de seus torcedores.

E é assim até hoje: as mascotes são a representação da alma de um negócio, neste caso, de um clube. E como eles são escolhidos? Bem, não há um padrão para isso. Essa escolha às vezes obedece critérios um tanto estranhos: alguma coisa que o clube viveu, uma brincadeira entre times rivais etc.

Vamos ver alguns desses personagens?

As mascotes dos times de futebol

O uso de mascotes faz com que as pessoas tenham uma conexão e um sentimento em relação ao produto, serviço, time etc. Por isso é um recurso bastante usado em marketing e propaganda e também uma oportunidade para quem as cria.

O galo

O Atlético Mineiro ganhou sua mascote pelas mãos do cartunista Mangabeira. A escolha representa a autoimagem dos atleticanos, de atletas que nunca desistem em campo, como um galo de briga. O time, inclusive, é chamado também de “Galo”.

** Nota do autor: sem apologias às brigas de galo, falamos no sentido de lutar por algo e não desistir até conseguir.

O mosqueteiro

Esta figurinha é mascote de dois clubes brasileiros: do Grêmio e do Corinthians. A história do mosqueteiro corintiano remete à 1913 e diz que, por causa de uma briga entre cartolas, o campeonato paulista seria disputado por apenas três equipes: Germânia, Inter de Limeira e Americano – o trio foi logo apelidado pela imprensa de “Os Três Mosqueteiros”.

O Corinthians entrou como o quarto mosqueteiro, conforme a história original, de Alexandre Dumas. Isso lhe garantiu a mascote.

Já o mosqueteiro gremista “nasceu” em 1946, quando cada clube Campeonato Gaúcho deveria apresentar um personagem para cortejar Rosinha, que representava a taça. A escolha pelo personagem foi pelas cores do time serem as mesmas dos uniformes dos mosqueteiros franceses.  Desde então o tricolor gaúcho adotou a mascote.

O Saci

O Saci, personagem conhecido do folclore é a mascote do Internacional de Porto Alegre. Antes dele, o time tinha o Negrinho, que dava ao time a imagem de clube do povo, ligado a todas camadas da população, inclusive às mais pobres (o Grêmio era considerado time da elite). Com o passar dos anos, o Saci entrou em cena e aperfeiçoou a figura figura malandra do seu antecessor.

Veja outros:

  • Leão: o animal é mascote do Avaí de Florianópolis, do Vitória da Bahia e do Sport Recife;
  • Tigre: o tigre representa o Vila Nova, de Goiás, que aliás tem o apelido de Tigrão;
  • Periquito: a ave á mascote do Goiás e do Palmeiras, sendo que este último adotou mais tarde o porco;
  • Baleia: representa o Santos;
  • Urubu: é o animal que representa o Flamengo;
  • Raposa: mascote do Cruzeiro;
  • Índio Condá: é a mascote do Chapecoense;
  • Furacão: o Figueirense de Florianópolis optou pela escolha de um fenômeno meteorológico.

Como criar mascotes para times de futebol

Sabe que você pode criar mascotes para times de futebol? Pois é, o time do seu bairro, o time de seu filho na escola… imagine só!

E nem precisa saber desenhar!

Você pode apostar no curso da Caricaturbo, que ensina você a criar caricaturas a partir de moldes. O que acha disso?

Gostou de nosso artigo? Quais mascotes você conhece e que não colocamos na lista? Comente aí!

Nos vemos no próximo post!

 

0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar